O cuidado no manuseio do resíduo biológico por parte do profissional de enfermagem de uma Clínica-Escola de uma instituição privada de ensino do Rio de Janeiro

  • Jaqueline Magalhaes Aluna do curso de Graduação em Enfermagem do Centro Universitário da Cidade. Rio de Janeiro, Brasil.
  • Maritza Consuelo Ortiz Sanchez Doutora em Enfermagem. Docente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário da Cidade/Universidade Gama Filho. Rio de Janeiro, Brasil.
Palabras clave: Enfermagem, Resíduos biológicos de saúde, Clínica Escola de Enfermagem

Resumen

Este estudo tem como objeto o conhecimento sobre o cuidado no manuseio do resíduo biológico por parte do profissional de enfermagem de uma clínica-escola.  O objetivo é descrever o conhecimento sobre o cuidado com o manuseio do resíduo biológico por parte do profissional de enfermagem da clínica-escola. A metodologia foi de natureza qualitativa. Os sujeitos do presente estudo foram seis enfermeiros da clínica Escola de Enfermagem de uma  instituição de ensino. Para a coleta de dados utilizou-se um roteiro de entrevista semi-estruturado. Na análise, os dados foram organizados na seguinte categoria: O conhecimento sobre o cuidado com o manuseio do residuo biológico. Os resultados mostram que os resíduos biológicos, quando não manuseados da maneira correta, podem causar sérios danos à saúde do trabalhador. Foi observado de maneira geral que os funcionarios envolvidos com o manuseio dos resíduos biológicos da clínica-escola, têm o conhecimento necessário para evitar acidentes com os mesmos, atingindo assim o objetivo inicial do trabalho. Evidenciou-se também que a maioria dos entrevistados considera como cuidado crucial, o uso de equipamento de proteção individual. É de extrema importância que o profissional não só saiba, mas entenda a necessidade do uso de equipamentos de proteção individual, sendo os mesmos muito eficazes contra acidentes pessoais, porém só serão úteis quando usados corretamente e isso envolve outra questão que é o treinamento da equipe. Finalmente o enfermeiro como agente educador é o profissional indicado para gerenciar os resíduos sólidos de saúde. Fornecendo educação continuada para sua equipe quanto aos cuidados na assistência, segregação, manuseio, transporte e uso de equipamentos de proteção individual, a fim de evitar acidentes desnecessários.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

1. Damasceno AP, Pereira MS, Souza ACS, Veiga AF, Prado MA. Acidentes ocupacionais com material biológico: a percepção do profissional acidentado.
Brasília: Revista brasileira de enfermagem vol.59 no.1 Jan./Fev. 2006.
2. Silva JA, Almeida AJ, Paula VS, Villar LM.Investigação de acidentes biológicos entre profissionais de saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 2009 jul-set; 13 (3): 508-16.
3. Marziale MHP, Nishimura KYN, Ferreira MM. Riscos de contaminação ocasionados por acidentes de trabalho com material pérfuro-cortante entre trabalhadores de enfermagem. Ribeirão Preto: Revista Latino-Americana de Enfermagem vol.12 no.1 Jan./Fev. 2004
4. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo - Rio de Janeiro: Hucitec; 2004.
5- Gil, AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.
6. Coelho H. Manual de gerenciamento de resíduos sólidos de serviços de saúde, editado em 2001, pela Fundação Oswaldo Cruz.
7. Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. NBR 10004/07. Resíduos sólidos: Classificação.
8. Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária -Resolução RDC nº 306/04.
9. Associação Brasileira de Normas Técnicas –ABNT. NBR 13853/97. Coletores para resíduos de serviços de saúde perfurantes ou cortantes.
10. Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. NBR 7500/11. Identificação para o transporte terrestre, manuseio, movimentação e armazenamento de produtos.
11. Associação Brasileira de Normas Técnicas –ABNT. NBR 12810/08. Coleta de resíduos de serviços de saúde: Procedimento.
12. Resolução CONAMA nº 237/97. Dispõe sobre os procedimentos e critérios utilizados no licenciamento ambiental e no exercício da competência, bem como as atividades e empreendimentos sujeitos ao licenciamento ambiental.
13. NR 32 – Segurança e saúde no trabalho em serviços de saúde. Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 485, de 11 de novembro de 2005 / Portaria GM n.º 939, de 18 de novembro de 2008 / Portaria GM n.º 1.748, de 30 de setembro de 2011.
14. Siridakys M. Precauções universais e equipamentos de proteção individual. Disponível em: . Acessado em 20/06/2012 às 15:34:13.
15. Fortes H. M. Gerenciamento de resíduos serviços de saúde. Cuiabá. Jun/2004. Paveloski E. M., Hamada J. Segregação dos resíduos de serviços de saúde como processo de produção mais limpa. São Paulo: 2nd International Workshop Advances in Cleaner Production. Maio/ 2009.
16. Paveloski E. M., Hamada J. Segregação dos resíduos de serviços de saúde como processo de produção mais limpa. São Paulo: 2nd International Workshop Advances in Cleaner Production. Maio/ 2009.
17. Resíduos de serviços de saúde-Manual de leis, decretos, subsídios e regras. Disponível em: http://xa.yimg.com/kq/groups/25010108/1009884789/n a m e / U N K N O W N _ PA R A M E T E R _ VA L U E >. Acessado em 04/12/2012 às 22:15:59.
18. Medeiros C. Istruções para elaboração do plano de gerenciamento de resíduos sólidos. Bahia. Fev/2002.
19. NR 6 – Equipamento de Proteção Individual- EPI. Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978. Atualização: Portaria SIT n.º 292, de 08 de dezembro de 2011.
20. Elian I. S. V., Barros I. P., Lopes K. E. M., Tipple. A. F. V., Souza A. C. S. Resíduos biológicos em serviços de diálise: discussão sobre o seu gerenciamento. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 06, n. 03, 2004.
21. Coelho H. Gerenciamento de resíduos sólidos de serviços de saúde. Disponível em: . Acessado em 10/11/2012 às 22:14:58
Publicado
2018-11-16
Cómo citar
Magalhaes, J., & Ortiz Sanchez, M. (2018). O cuidado no manuseio do resíduo biológico por parte do profissional de enfermagem de uma Clínica-Escola de uma instituição privada de ensino do Rio de Janeiro. ACC CIETNA: Revista De La Escuela De Enfermería, 1(2), 35-46. https://doi.org/https://doi.org/10.35383/cietna.v1i2.155