Fatores que contribuem para a ocorrência dos acidentes de trabalho com perfurocortantes em trabalhadores de enfermagem de uma instituição de saúde privada do Rio de Janeiro

  • Silvia Lea Bergman Aluna do curso de Pós-graduação de Enfermagem do Trabalho. Universidade Gama Filho. Rio de Janeiro, Brasil.
  • Maritza Consuelo Ortiz Sanchez Doutora em Enfermagem. Docente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário da Cidade/ Universidade Gama Filho. Rio de Janeiro, Brasil.
  • Claudemir Santos de Jesus Mestre em enfermagem EEAN, docente assistente de enfermagem da Universidade Gama Filho. Rio de Janeiro, Brasil.
Palabras clave: Enfermagem, Acidente de trabalho, Perfurocortante

Resumen

A presente pesquisa tem como objeto de estudo os fatores que contribuem para a ocorrência de acidentes com perfuro cortantes em profissionais de enfermagem de uma instituição de saúde privada. O objetivo: analisar os fatores que contribuem para a ocorrência de acidentes com material perfurocortante em profissionais de enfermagem.  Metodologia: descritiva, exploratória com abordagem qualitativa.  Os sujeitos do estudo foram 8 (oito) trabalhadores de enfermagem de uma Instituição de Saúde privada, que em algum momento de suas atividades ficaram envolvidos nesse tipo de acidente. Ressalta-se que o cuidado em garantir o sigilo e o anonimato dos sujeitos foi assegurado, usando, portanto, o termo entrevistado, com vistas a respeitar os princípios éticos da pesquisa com seres humanos, nos termos da resolução nº196/96 do Conselho Nacional de Saúde (CNS). Os resultados apontam para os seguintes fatores no envolvimento de acidentes com materiais perfuro cortantes: a existência de falta de atenção dos profissionais durante o exercício de suas funções por diversos motivos; excessiva carga horária, muitos trabalham mais de 44 horas semanais, devido à realização de horas extras, trocas de plantão ou por acumularem horas trabalhando em diversas instituições; os descartes dos objetos perfurocortantes em recipientes impróprios ou superlotados, a prática inadequada de reencape de agulhas e a falta de educação permanente nessa busca da transformação pessoal, profissional e social. Concluímos que o trabalho do enfermeiro gera condições insalubres e penosas que produzem danos à saúde humana e nas instituições de saúde é praticamente inexiste preocupação com o trabalhador. É o paradoxo hospitalar: cuidar de enfermos e permitir adoecerem as pessoas que deles cuidam

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

1. Oliveira BRG, Murofuse NT. Acidentes de trabalho e doença ocupacional: estudo sobre o conhecimento do trabalhador hospitalar dos riscos à saúde de seu trabalho. Rev.latino- am.enfermagem, Ribeirão Preto. jan. 2001; 9(1): 109- 115.
2. Brasil, Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria Nº 485 de 11 de novembro de 2005. Aprova a norma regulamentadora – NR 32 sobre Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde. Disponível em: http://www.mte.gov.br/legislacao/Portarias/2005/p_20051111_485.pdf. Acesso em 09 de maio de 2010.
3. Robazzi MLCC, Barros JOCJ. Proposta Brasileira de Normatização para os Trabalhadores da Saúde. Revista Proteção. 2005(46): 56-58.
4. Marziale, MHP. Rodrigues CM. A produção científica Sobre os acidentes de Trabalho com material perfurocortante Entre Trabalhadores de Enfermagem. Rev. Latino Americana de Enfermagem [Online]. 2002, 10(4):571-577. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692002000400015. Acesso em 15 de junho de 2010.
5. Brasil. Recomendações para atendimento e acompanhamento de exposição ocupacional a material biológico: HIV e hepatite B e C. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.
6. Kosgeroglu N, Ayranci U, Vardareli E, Dincer S. Occupational exposure to hepatitis infection among Turkish nurses: frequency of needle exposure, sharps injuries and vaccination. Epidemiology and Infection. 2004 fev; 132(1): 27-33. [acesso em 2005 Abr 29]. Disponível em www.periodicos-capes.gov.br.
7. Centers For Disease Control And Prevention. Surveillance of Healthcare Personnel with HIV/AIDS, as of December 2002. 2002 dez. [acesso em 2004 Set 10]. Disponível em: www.cdc.gov/ncidod/hip/blood/hivpersonnel.htm.
8. Barbosa MA, Figueiredo VL, Paes MSL. Acidentes de trabalho envolvendo profissionais de enfermagem no ambiente hospitalar: um levantamento em banco de dados. Revista Enfermagem Integrada – Ipatinga: Unileste-MG-V.2-N.1-Jul./Ago. 2009. Disponível em:
http://www.unilestemg.br/enfermagemintegrada/artigo/v2/Monica_barbosa_Veronica_figueiredo_Maione_paes.pdf. Acesso em 15 de junho de 2010.
9. Coutinho LH, Castro JPO, Costa CA, Stival MM. Perfil dos Acidentes com perfurocortantes em um Hospital de Anápolis do período de 2005 a 2007. Anuário da Produção de Iniciação Cientifica Discente. 2008; 11(12): 39-55. Disponível em: http://sare.unianhanguera.edu.br/index.php/anuic/article/view/491/468. Acesso em 10 de maio de 2010.
10. CONAMA. Conselho Nacional do meio Ambiente nº 05 de 05 de agosto de 1993. Define e classifica os resíduos e dá outras providências.
11. Amaral AS, Sousa AFR, Saadia O, Oliveira, MAN. Acidentes com material pérfuro-cortante entre Profissionais de Saúde em Hospital Privado de Vitória da Conquista-BA. Revista Sitientibus, Feira de Santana, 2005;(33):101-114. Disponível em: http://www.uefs.br/sitientibus/pdf/33/acidentes_com_material_perforocortante.pdf. Acesso em 15 de junho de 2010.
12. Simão S. et al. Acidente de Trabalho com Material Perfurocortante Envolvendo Profissionais de Enfermagem de Unidade de Emergêcia Hospitalar. Ver. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2010; 189(3): 400-4.
13. Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21. ed. Petrópolis, RJ: Vozes; 2008.
14. Lima FA, Pinheiro PNC, Vieira NFC. Acidente com material perfurocortante: Conhecendo os sentimentos e emoções dos profissionais de enfermagem. Esc Anna Nery R Enferm, 2007.
15. Souza M. Acidentes ocupacionais em situações de risco para equipe de enfermagem: um estudo em cinco hospitais do Município de São Paulo. [tese]. São Paulo (SP): Escola Paulista de Medicina/UNIFESP; 1999.
16. Marziale MHP, Nishimura KYN, Ferreira MM. Riscos de Contaminação ocasionados por acidentes de trabalho com material perfurocortante entre trabalhadores de enfermagem. Revista Latino Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, 2004;12(1):36-42. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v12n1/v12n1a06.pdf. Acesso em 10 de maio de 2010.
17. Tomazin CC, Benatti MCC. Acidente do trabalho por material perfurocortante e trabalhadores de enfermagem. Rev. gaúcha Enferm. Porto Alegre. 2001.
18. Canini SEM, Gir E, Hayashida M, Machado AA. Acidentes perfurocortantes entre trabalhadores de enfermagem de um hospital universitário do interior paulista. Rev. latino-am Enfermagem, 2002;10(2): 172-8.
19. Jansen AC. Um novo olhar para os acidentes de trabalho na enfermagem: a questão do ensino. [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP; 1997.
20. Souza NVDO, Lisboa MTL. Ritmo de trabalho: fator de desgaste psíquico da enfermeira. Rev Anna Nery Enferm 2005;9(2): 229-36.
21. Brasil. Recomendações para atendimento e acompanhamento de exposição ocupacional a material biológico: HIV e hepatites B e C. Ministério da Saúde; 1997.
22. Vieira M, Padilha MICS. O HIV e o Trabalhador de Enfermagem Frente ao acidente com material
perfurocortante. Revista Escola de Enfermagem USP [Online].2008;42(4):804-10. Disponível: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v42n4/v42n4a25.pdf. Acesso em: 15 de junho de 2010.
23. Brasil. Recomendações para atendimento e acompanhamento de exposição ocupacional a material biológico: HIV e hepatites B e C: Ministério da Saúde; 2004.
24. Giomo DB, Freitas FCT, Alves LA, Robazzi MLCC. Acidentes de trabalho, riscos ocupacionais e absentismo entre trabalhadores de enfermagem hospitalar. Rev enferm UERJ. 2009;(17):24-9.
25. Mauro MYC, Veiga AR. Problemas de saúde e riscos ocupacionais: percepções dos trabalhadores de enfermagem de unidade materna infantil. Rev enferm UERJ. 2008;(16):64-9.
26. Secco IAO. Acidentes e cargas de trabalho dos
trabalhadores de enfermagem de um hospital universitário do norte de Paraná [tese]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo; 2006.
27. Chiodi MB, Marziale MHP, Robazzi MLCC.
Occupational accidents involving biological material among public health workers. Rev Latino-Am Enfermagem. 2007;(15):632-8.
28. Brevidelli MM, Cianciarullo TI. Análise dos acidentes com agulhas em um hospital universitário: situações de ocorrência e tendências. Rev Latino-Am Enfermagem. 2002;(10):780-6.
29. Aiken LH, Clarke SP, Cheung RB, Sloane DM, Silber JH. Educational levels of hospital nurses and surgical patient mortality. JAMA 2003; 290(12): 1617-23.
30. Morin E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: UNESCO/Cortez; 2002.
31. Paschoal AS, Mantovani MF, Lacerda MR. A educação permanente em enfermagem: subsídios para a prática profissional. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre (RS) 2006;27(3):336-43.
32. Aiken L, Clarke S, Sloane DM, Sochalski J, Silber JH. Hospital nurse staffing and patient mortality, nurse burnout and job dissatisfaction. JAMA 2002; 288(16):1987-93.
33. Paschoal AS. O discurso do enfermeiro sobre educação permanente no grupo focal [Dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2004.
Publicado
2018-11-16
Cómo citar
Lea Bergman, S., Ortiz Sanchez, M., & Santos de Jesus, C. (2018). Fatores que contribuem para a ocorrência dos acidentes de trabalho com perfurocortantes em trabalhadores de enfermagem de uma instituição de saúde privada do Rio de Janeiro. ACC CIETNA: Revista De La Escuela De Enfermería, 1(2), 62-74. https://doi.org/https://doi.org/10.35383/cietna.v1i2.157