Os modelos teóricos nos serviços de enfermagem na visão dos enfermeiros da assistência: um estudo exploratório

  • Simone Fontes Pedrosa da Carpinteira Aluna do 6º período do Curso de Graduação em Enfermagem do Centro Universitário da Cidade. Rio de Janeiro, Brasil.
  • Maritza Consuelo Ortiz Sanchez Doutora em Enfermagem. Professora Adjunta do Curso de Enfermagem do Centro Universitário da Cidade. Rio de Janeiro, Brasil.
  • Marilia de Jesus Pereira Mestre em Enfermagem. Professora Assistente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário da Cidade. Rio de Janeiro, Brasil.
  • Magda Ribeiro de Castro Mestre em Enfermagem. Professora Assistente da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Professora do Curso de Enfermagem do Centro Universitário da Cidade. Professora do Curso de Enfermagem da Universidade Estácio de Sá. Rio de Janeiro, Brasil.
Palabras clave: Modelos teóricos, Sistematização da assistência de enfermagem, Enfermagem

Resumen

Esta pesquisa tem como objeto de estudo a implementação dos modelos teóricos na Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) na visão dos enfermeiros assistenciais. Tem por objetivo analisar os desafios enfrentados pelos enfermeiros para a implementação dos modelos teóricos nos serviços de enfermagem. A abordagem metodológica é de natureza qualitativa, descritiva e exploratória. Os sujeitos do estudo foram constituídos por onze enfermeiros que atuam na assistência, em diversas instituições de saúde na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Os resultados revelaram que mesmo os profissionais tendo conhecimento sobre a importância da escolha dos modelos teóricos para a implantação da SAE, esse processo ainda se encontra deficitário em nosso país em virtude de diversos fatores de ordem pessoal, profissional e institucional.  Observa-se a necessidade de haver maior interesse por parte do enfermeiro e das instituições de saúde no sentido de investir no aprimoramento e na capacitação de pessoal para a implementação efetiva da SAE, visando à melhoria da qualidade dos serviços oferecidos à população, maior reconhecimento e valorização do profissional de enfermagem.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

1 Tannure MC, Pinheiro AM. SAE: Sistematização da Assistência de Enfermagem: guia prático. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010.
2 McEwen, Melanie; Wills, Evelyn M. Bases Teóricas para Enfermagem. 2ª ed. Porto Alegre(RS): Artmed; 2009.
3 Conselho Federal de Enfermagem (Br). Resolução COFEN 358/2009. [acesso em 10 abr 2011]. Disponível em:http//www.portalcofen.gov.br/node/4384
4 Felix NN, Rodrigues CDS, Oliveira VD. Desafios encontrados na realização da sistematização da assistência de enfermagem (SAE) em unidade de pronto atendimento. Arq Cienc Saúde 2009 out/dez; 16(4): 155-60.
5 Castilho NC, Ribeiro PC, Chirelli MQ. A implementação da sistematização da assistência de enfermagem no serviço de saúde hospitalar do Brasil. Texto Contexto Enferm [periódico na internet] 2009 abr/jun [acesso em 04 abr 2011]; 18(2): 280-9. Disponível em: http//www.scielo.br/ pdf/tce/v18n2/11.pdf
6 Backes DS, Schwartz E. Implementação da sistematização de enfermagem: desafios e conquistas do ponto de vista gerencial. Ciência Cuidado Saúde [periódico na internet]. 2005 maio/ago [acesso em 04 abr 2011]; 4(2): 182-8. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCui
dSaude/article/viewFile/5247/3374
7 Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21ª ed. Petrópolis(RJ): Vozes; 2002.
8 Boni V, Quaresma SJ. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Rev Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC. [periódico na internet] 2005 jan/jul [acesso em 23 maio 2011]; 2(1): 68-80. Disponível em: www.emtese.ufsc.br
9 Ministério da Saúde (Br). Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde/MS sobre diretrizes e
Normas Regulamentadoras de Pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 10 out 1996.
10 Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo(SP): Hucitec-Abrasco; 2008.
11 Nightingale F. Notas sobre enfermagem: o que é e o que não é. São Paulo(SP): Cortez; 1989.
12 George JB. Teorias de Enfermagem: os fundamentos à prática profissional. 4ª ed. Porto Alegre(RS): Artes Médicas Sul; 2000.
13 Leopardi MT, organizador. Teorias de Enfermagem: instrumentos para a prática. Florianópolis(SC): Papa-Livros; 1999.
14 Carraro TE, Westphalen MEA. Metodologias para a assistência de enfermagem: teorização, modelos e subsídios para prática. Goiânia(GO): AB; 2001.
15 Oliveira LM, Evangelista RA. Sistematização da assistência de enfermagem (SAE): excelência no cuidado. Perquierere [periódico na internet] 2010 ago [acesso em 04 abr 2011]; 7(1): 83-8. Disponível em:
16 Pinto CAL. A importância do enfermeiro na central de material esterilizado. [acesso em 14 jun 2011]. Disponível em: http://www.webartigos.com/articles/11854/1/A-Importancia-do-Enfermeiro-n a - C e n t r a l - d e - M a t e r i a l - E s t e r i l i z a d o / pagina1.html
17 Damas KCA, Munari DB, Siqueira KM. Cuidando do cuidador: reflexão sobre o aprendizado dessa habilidade. Rev Eletronica Enferm [periódico na
internet] 2004 [acesso em 28 jul 2011]; 6(2): [aproximadamente 6 p ]. Disponível em:
http://revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/811/928
18 Martins MCFN. Humanização da assistência e 2003 maio [acesso em 28 jul 2011]; 8(5). Disponível formação do profissional de saúde. Psychiatry [online]. em http://www.polbr.med.br/ano03/artigo0503_1.php
19 Hermida PMV. Desvelando a implementação da sistematização da assistência de enfermagem. Rev Bras Enferm 2004; 57(6): 729-32.
20 Matté VM, Thofehm MB, Muniz RM. Opinião dos enfermeiros quanto à aplicabilidade do processo de enfermagem em unidade de tratamento intensivo. Revista Gaúcha de enfermagem, Porto Alegre (RS) 2001 jan; 22(1): 101-21.
21 Hermida PMV, Araújo IEM. Sistematização da assistência de enfermagem: subsídios para implantação. Rev Bras Enferm 2006 set/out; 59(5):
675-9.
22 Abrahão AL, Santos M, Leonardo SC, Souza RF. A dissonância entre formação do enfermeiro e sua prática de trabalho. Vidya [periódico na internet]. 2010 jan/jun [acesso em 28 jul 2011]; 30(1): 53-60. Disponível em: http://sites.unifra.br/Portals/35/Artigos/2010/vol1_1/dissonancia.pdf
23 Kletember DF, Mantovani MF, Lacerda MR. Entre a teoria e as práticas do cuidar: que caminho trilhar? Rev Bras Enferm 2003 [acesso em 28 jul 2011]. Disponível em: http://www1.capes.gov.br/ estudos/dados/2003/40001016/020/2003_020_40001016045P7_Programa.pdf
24 Mayer M, Costenaro RGS, Mota MS, Fossá MIT. A importância da comunicação organizacional na atuação da equipe multidisciplinar de saúde. Encipecom [periódico na internet] [s.d.] [acesso em 27 jul 2011]. Disponível em: http:// encipecom.metodista.br/mediawiki/images/7/72/GT1
25 Conselho Federal de Enfermagem (Br). Resolução COFEN 159/1993. [acesso em 08 jun 2011]. Disponível em: http://www.portaleducacao.com.br/enfermagem/artigos/1970/ resolucao-cofen-159-1993-dispoe-sobre-a-consulta-de-enfermagem.
26 Ortiz MCS. O movimento para (re) configuração sindical das enfermeiras no Brasil e no Peru: um estudo histórico comparado. Rio de Janeiro (RJ): EEAN; 2006.
27 Évora YDM. Sistema de informação: instrumento para tomada de decisão no exercício da gerência. Ciência da Informação [periódico na internet] 2004 [acesso em 29 jul 2011]; 33(1). Disponível em: http:// revista.ibict.br/index.php/ciinf/article/viewArticle/62/56#
28 Paulus Júnior A. Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde. Rev Espaço para a saúde. [periódico na internet] 2005 dez [acesso em 29 jul 2011]; 7(1): 30-45. Disponível em: http://www.ccs.uel.br/espacoparasaude/v7n1/Gerenciamento.pdf
29 Gaíva MAM, Scochi CGS. Processo de trabalho em saúde e enfermagem em UTI neonatal. Rev Latinoam Enferm 2004 maio/jun; 12(3): 469-76.
30 Padilha MCS, Sobral VRS, Leite LMR, Peres MAA, Araújo AC. Enfermeira - a construção de um modelo a partir do discurso médico. Rev Esc Enf USP [periódico na internet]. 1997 [acesso em 03 ago 2011]; 31(3): 437-51. Disponível em: http://www.ee.usp.br/reeusp/upload/pdf/390.pdf
31 Carvalho A, Muniz G, Marques AC, Sales N, Travassos V, Rios CT. Sistematização da assistência de enfermagem à cliente acometida por doença trofoblástica gestacional. 61º Congresso Brasileiro de Enfermagem; 2009 dez 7-10; Fortaleza [acesso em 03 a g o 2011]. Disponível em: http://www.abeneventos.com.br/anais_61cben/files/01702.pdf
32 Novaczyk AB, Dias NS, Gaíva MAM. Atenção à saúde da criança na rede básica: análise de dissertações e teses de enfermagem. Rev Eletr Enf [periódico na internet]. 2008 [acesso em 03 ago 2011]; 10(4): 1124-37. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n4/v10n4a25.htm.
Publicado
2018-11-16
Cómo citar
Pedrosa da Carpinteira, S., Ortiz Sanchez, M., Pereira, M. de J., & Ribeiro de Castro, M. (2018). Os modelos teóricos nos serviços de enfermagem na visão dos enfermeiros da assistência: um estudo exploratório. ACC CIETNA: Revista De La Escuela De Enfermería, 1(2), 75-91. https://doi.org/https://doi.org/10.35383/cietna.v1i2.158